Homem é condenado a 48 anos de prisão por matar a ex-companheira na frente do filho de 04 anos, em Goiatuba.

0
116
O Ministério Público de Goiás (MPGO) conseguiu a condenação de Leandro Pinheiro da Silva à pena de 48 anos de reclusão, pelo feminicídio de sua ex-companheira e do suposto namorado dela.
O crime praticado contra Milena Maria Maurício, aconteceu no dia 8 de junho de 2019, no município de Goiatuba, quando Leandro Pinheiro da Silva, matou a tiros a ex-companheira, na frente do filho do casal, de apenas 4 anos. Pouco tempo depois, ele voltou a praticar outro crime, no dia 06 de setembro de 2019, matando o suposto namorado dela, Halbert Sousa Campos, numa boate, também em Goiatuba.
Entenda:
Milena Maria e Leandro mantiveram um relacionamento amoroso por cerca de cinco anos. Contudo, ela decidiu romper a relação com Leandro, em razão das agressões físicas e verbais que sofria e requereu a aplicação de medidas protetivas.
Insatisfeito com a situação, Leandro passou a persegui-la e a ameaçá-la constantemente.
Leandro ficou inconformado com a notícia de que a ex-companheira teria mantido um relacionamento amoroso com Halbert Campos, no período em que Leandro esteve preso por tráfico de drogas, o que o motivou a matar os dois.
Assim, após ter tirado a vida de sua ex-companheira, Leandro manteve-se foragido. E tomou conhecimento, por meio de postagens em redes sociais, de que Halbert Campos estaria em uma boate no município de Goiatuba. Então, Leandro Pinheiro entrou em contato com João Paulo Mendonça e foram ao encontro do Halbert, que foi morto com dois tiros no peito, assim que saía da casa noturna.
O João Paulo Mendonça deverá cumprir pena de três anos de reclusão, e também foi condenado por posse irregular de arma de fogo e porte de arma de fogo, com numeração raspada.
Houve outro envolvido no processo, o Jorge Vinícius Almeida, amigo dos acusados, que havia sido denunciado pelo MP-GO por participação na morte de Halbert Campos, entretanto foi absolvido pelo Júri.
Fonte: Assessoria de Comunicação Social do MPGO
Texto – Cristina Rosa
Edição: Wilson Barbosa – Jornal Cidades